quarta-feira, 23 de novembro de 2011

O diabo e sua M.I.S.S.A


Que o diabo havia profanado a Santa Missa com o ritual satânico da "missa negra", infelizmente, todos nós católicos já sabíamos. Agora, que o mesmo diabo comece a usar os jovens para reproduzirem numa "festa que virou saga", com o mesmo nome da mais importante celebração cristã católica, centro da nossa fé, isto ninguém esperava. O diabo agora passou de seus limites satânicos! Creio que esteja mostrando seu ódio e declarando guerra...

O diabo sujo, enganador, invejoso, mentiroso, sedutor e covarde inventou sua festa em forma de M.I.S.S.A. É gente, infelizmente, é isto aí. E esta é para escandalizar até aqueles que costumam dizer que já viram de tudo nesta vida. 

Como tudo de decadente e profano sai do Rio de Janeiro, capital da cultura e da moda do Brasil, a tal festa, infelizmente, também aqui começou. Há pouco tempo, em Outubro, uma das "festas mais polêmicas e badaladas do RJ" completou seus dois anos de maléfico nascimento. Houve uma edição da mesma no Pier Mauá no RJ. A organizadora de tal evento (se assim podemos dizer, porque me faltam palavras...) é a produtora "Cinco Entretenimentos", um dos responsáveis chamasse Rafael Cuia. Alegam que não ferem sentimentos religiosos... É Inacreditável que ainda tenham a coragem de se prenunciar pseudamente!


Na M.I.S.S.A do diabo, paradoxamente, o DJ está vestido de padre, o fotógrafo se veste de Papa e as meninas tentam cubrir seus corpos expostos e oferecidos com véus de freiras. Quanta falta de respeito! Que ridículo! Lamentável espetáculo de fantoches do diabo profanador.

Os organizadores da M.I.S.S.A (Movimento dos interessados em sacudir sua alma) se condenam e se entregam também pelas chamadas e termos ambíguos que usam na divulgação, como foi no caso da festa em Búzios ( Região dos Lagos do RJ), quando os organizadores escreveram nos cartazes: "Aproveite a Semana Santa na M.I.S.S.A em Búzios, dia 23/4, de R$ 100 por R$ 18. Vai ser literalmente um pecado deixar de ir". Em alguns sites, está escrito a respeito desta anomalia humana e engenharia satânica: "M.I.S.S.A, Conquistando cada vez mais fiéis". E ainda: "Um pecado não deixar de ir". Em todos os cartazes das cidades (Brasília, Belo Horizonte, Fortaleza, Natal, Macéio e Niterói) onde já ocorreram esta anomalia (encontrei uma palavra!), está escrito em relação a "ir pra Missa" (em um site eles usaram a palavra sem os pontos entre as letras): "Quem disse que ninguém te chama?".

Quanto aos participantes? São manipulados a banalizarem o sentido do pecado (maior desgraça do mundo atual), porque recebem adesivos verdes e vermelhos com inscrições "peco" e "não peco". Dentro das casas de show que abrigam esta anomalia, o diabo (sempre muito desrespeitador e invejoso) caracterizou o ambiente infernal da sua diabólica M.I.S.S.A com os elementos sagrados da Liturgia Católica: A mesa de som imita um altar, e há uma grande cruz de madeira no centro do salão. Um altar menor abriga outra cruz e várias de nossas imagens religiosas cercadas de velas. É diabo, pra tua sorte, o povo católico brasileiro é extremamente pacífico e a hierarquia da Igreja extremamente indolente! Se fóssemos mulçumanos...

É claro que a gelada não podia faltar! Tudo isso é regado de muita bebida, como o diabo gosta, tirando a consciência e a sobriedade de uma geração que já habituada em viver nas mãos dele. Interessante, que em todos os sites onde vi o anúncio e as fotos da anomalia, o patrocínio são das marcas de cervejas. O fundo do cenário da M.I.S.S.A do diabo está cheia da marcas conhecidas no Brasil. Desse jeito, vão descer mesmo... As revistas oficias sobre bebidas alcoólicas aproveitam para dar informações sobre o consumo de cervejas, whisky, tequila, vodka, cachaça e absolute. Imaginem que clima! Precisa explicar porquê os acidentes de trânsito no RJ durante a noitada não param de subir? Só alegria pro diabo, que consegue fazer a sua festa na "Cidade Maravilhosa". Ops...maravilhosa pra quem? Só se for para ele! É ele que tá sacudindo heim... 

A minha maior tristeza como cristão e sacerdote é saber que a grande maioria que frequenta esta anomalia são ''batizados católicos". Maior tristeza ainda é que se perguntarmos aos organizadores, eles também se declararão "católicos". E o que diremos dos patrocinadores destas festas? Protestantes, com certeza, não são.

Espero que nossas Dioceses sigam o exemplo da Arquidiocese de Manaus, que se pronunciou contra tal sacrilégio em uma nota de esclarecimento lúcida e profética. Parábens jovens da RCC daquele Estado. Creio que foram vocês os motivadores da Pascom Arquidiocesana. Chegará um tempo em que os homens se cansarão destas formas atuais de idolatria e escravidão, sentirão o desejo profundo de romper com o relativismo e a degradação moral, retornarão como sedentos ao altar da vida, descobrirão na Santa Missa verdadeira Festa, e nela encontrão o Único capaz de dar sentido às suas vidas. Terão a certeza de que o diabo não pode fazer ninguém feliz e que este mundo não é amigo de ningúem. Entenderão que as festas de outrora não podem produzir a alegria que somente Deus pode conceder gratuitamente. Trocarão as bebidas pelas águas purificadoras do Espírito, abandonarão as drogas e o sexo animal para buscarem na Palavra e na Eucaristia o tesouro de suas vidas. Buscarão a fidelidade, encontrarão as pessoas certas, constituirão famílias que não cederão ao secularismo, formarão uma nova geração que poderá transformar o Brasil.

Desafiamos os jovens que hoje vivem mortos para que procurem nas Igrejas Católicas a autêntica Missa que Jesus celebrou no Calvário e que salvou a humanidade, resgatando também a tua vida, te salvando para sempre. Os que ainda estiverem vivos em 2013, são convidados a mudarem de vida na Jornada Mundial da Juventude que acontecerá no Rio de Janeiro dos dias 23 à 28 de Julho. Ali, vocês verão jovens do mundo inteiro felizes, sem bebidas e sem drogas, louvando, dançando, escutando o Papa Bento, celebrando a MISSA que pode transformar as nossas vidas. Uma só MISSA pode mudar a tua vida! Está interessado? Quer arriscar? Movimente tua alma de verdade, só com Deus, só em Deus, só por Deus!


Só quando você for a verdadeira MISSA poderás experimentar, com a tua alma em Festa, a verdadeira Alegria que só Deus pode dar!

Rio Bonito, 18 de Novembro de 2011
Pe. Eduardo Braga (Dudu), 
Presbítero da Arquidiocese de Niterói-RJ

domingo, 20 de novembro de 2011

LITURGIA DA PALAVRA: CISTO REI DO UNIVERSO


São Paulo, quinta-feira, 17 de novembro de 2011(ZENIT.org) - Apresentamos o comentário sobre a Liturgia da Palavra do 34° domingo do Tempo Comum - Ez 34, 11-12; 15-17;  1 Cor 15, 20-26;28;  Mt 25, 31-46 por Dom Emanuele Bargelini, monge Beneditino Camaldolense. Prior do Mosteiro da Transfiguração em Mogi das Cruzes-SP e Doutor em liturgia pelo Pontifício Ateneu Santo Anselmo de Roma.

Na ábside de várias igrejas européias dos séculos 11 e 12, se apresenta em toda sua beleza artística e transparência espiritual, a imagem em mosaico do “Cristo, Senhor de todas as coisas – Rei do universo”, o Cristo “Pantocrator”, segundo a clássica expressão da linguagem da arte cristã antiga e medieval, e dos ícones. É também muito comum encontrar nas paredes interiores das igrejas cenas do AT e do NT; da criação (Gênesis) até a multidão dos redimidos sem número, que seguem o Cordeiro imolado e vivente rumo ao trono do Pai, celebrando a glória do Altíssimo (Apocalipse).

O Cristo é normalmente representado em atitude majestosa e severa, e ao mesmo tempo compassiva e acolhedora, os braços abertos para acolher o mundo inteiro, os olhos cheios de luz e compaixão, na mão esquerda o livro aberto da vida, e a mão direita abençoando, segundo o uso ortodoxo[1].

A linguagem da beleza exprime com grande potência a intuição profunda da fé da Igreja, resumida, em maneira simbólica, na carta de Paulo aos Colossenses: “Tudo foi criado por ele e para ele..... É a cabeça da Igreja que é seu corpo. É o principio, o primogênito dos mortos, tendo em tudo a primazia, pois nele aprouve a Deus fazer habitar toda a plenitude e reconciliar por ele todos os seres, os da terra e os dos céus, realizando a paz pelo sangue da sua cruz” (Cl 1, 16-20).

“Por Cristo, com Cristo e em Cristo, a Vós, Deus Pai onipotente na unidade do Espírito Santo, toda honra e toda a glória, agora e para sempre”, canta, ou proclama em voz alta o Presidente da celebração, na solene Doxologia ao final da Oração Eucarística. Em seguida, a assembléia dos fieis proclama seu assenso com o canto poderoso do “Amém!”.

A imagem do Cristo Pantocrator das antigas igrejas e a doxologia solene da Oração eucarística exprimem, com a linguagem da beleza e da adoração, o sentido mais profundo da liturgia do domingo de “Cristo Rei do universo”, com o qual a Igreja vai concluir a celebração do mistério pascal de Cristo, que foi desenvolvendo-se através do inteiro ano litúrgico.

De fato, este 34o domingo é o último do ano litúrgico. Em maneira surpreendente, seu horizonte espiritual coincide com o do primeiro domingo de Advento, que é também o primeiro do novo ano litúrgico. Jesus Cristo, o Verbo encarnado, crucifixo e ressuscitado, agora glorificado à direita do Pai, é a meta e o fim da história da nossa salvação e, ao mesmo tempo, é seu fundamento e início.

Um ciclo litúrgico inicia onde o primeiro acaba, de um ano para outro, num movimento em espiral ascendente sem cessar, na interação recíproca, até que o dinamismo transformador da páscoa manifeste todas suas potencialidades na vida dos homens e das mulheres que estão caminhando na espera da vinda gloriosa do Senhor.

O ano litúrgico, com sua linguagem ritual e sacramental, manifesta e nos faz experimentar, através das variadas celebrações que articulam seu movimento ao redor da páscoa, o dinamismo do Espírito que atua no seio escondido e fecundo da história, até, e na espera, da vinda gloriosa de Cristo.

A espiritualidade, alimentada pelo Advento e pela celebração do Cristo, Rei do universo, constitui uma realidade articulada e indivisível. É o âmago da espiritualidade cristã. É a espiritualidade da encarnação e da tensão escatológica. Do compromisso na história do hoje, e da liberdade de quem exerce o discernimento no Espírito, e enxerga mais à frente como o profeta.

A espiritualidade que conjuga os dois pólos do ano litúrgico tem múltiplos aspectos que interagem entre si: compromisso para realizar a novidade do reino de Deus na própria vida e na sociedade; confiante espera da sua plenitude na vinda gloriosa do Senhor ao fim dos tempos; atenção às misteriosas visitas do Senhor na vida cotidiana e obediência generosa às suas exigências (cf Mt 25, 31-46. Evangelho); memória fecunda da vinda do Senhor na humildade da encarnação, alimentada pela consciência que tal processo ainda continua no mesmo estilo, e solicita de nós nossa completa adesão. Nessa linha, Jesus diz que “o reino de Deus não vem ostensivamente... porque está entre vós” (Lc 17, 20-21).Estas atitudes interiores e este estilo de atuar na vida promovem e exigem um autêntico “espírito contemplativo”, atento à realidade profunda da existência, e alimentado pela intimidade com Deus na constante oração.

A oração do dia traduz em termos de invocação a grande contemplação teológica de Paulo, que abre a carta aos Efésios, como uma solene sinfonia de louvor. Ele constata com estupor que a Deus, quando o tempo se cumpriu segundo seu misterioso desígnio, aprouve tomar a decisão de “em Cristo encabeçar todas as coisas, as que estão nos céus e as que estão na terra” (Ef 1,9-10). 

“Deus eterno e todo poderoso, que dispusestes restaurar todas as coisas no vosso amado Filho, rei do universo, fazei que todas as criaturas, libertas da escravidão e servindo à vossa majestade, vos glorifiquem eternamente”. (Oração do dia)

A tradução do verbo grego “anakefalein” com “encabeçar” (Bíblia de Jerusalém), diz literalmente “fazer encontrar em Cristo” a cabeça, o princípio vital que alimenta, unifica e orienta a existência de toda a realidade. A tradução do mesmo verbo com “restaurar”, (texto litúrgico), privilegia o sentido de “reconduzir toda a realidade” à seu destino inicial, ao seu fim, segundo o projeto original de Deus. Este é também o sentido profundo do caminho cristão pessoal. Esta orientação para Cristo infunde um dinamismo incessante de conversão do coração e unifica a existência.

No centro da visão expressa pelo apóstolo, na carta aos Efésios, assim como na carta aos Coríntios, proclamada hoje, (segunda leitura), está a primazia de Cristo. Ele exercita seu senhorio sobre a criação, o pecado, a morte, e a história inteira, orientando-a novamente ao Pai com o dinamismo transformador do Espírito Santo. Desde já, os que foram alcançados pela misericórdia de Deus com o dom da fé, participam desta “realeza espiritual” de Jesus: “Mas Deu,... quando estávamos mortos em nossos delitos, nos vivificou juntamente com Cristo... e com ele nos ressuscitou e nos fez assentar nos céus, em Cristo” (Ef 2, 4-6).  

A vida presente dos cristãos se torna já de fato uma vida de “ressuscitados”, de vencedores da morte, em Cristo. Homens e mulheres capazes de exercitar sua liberdade diante do mal, que continua habitando o coração deles e o mundo, e diante das armadilhas das situações e das coisas que atraem a si e dominam as pessoas, mas se revelam inconsistentes (cf Cl 3, 1-4).

A reconciliação entre judeus e gregos com base na cruz de Cristo, (Ef 2, 11-18), constitui o início e o símbolo do dinamismo universal da páscoa. Este tende, pela energia do Espírito do ressuscitado, a reconduzir tudo e todos à sua vocação original, à unidade e à comunhão nas diversidades. Impele para “encabeçar”, “restaurar”, tudo no amado Filho, e, nele, nos amados filhos e filhas.

Na primeira carta aos coríntios (segunda leitura), Paulo destaca com vigor o início da constituição da nova humanidade em Cristo, a partir da sua ressurreição. O confronto entre Adão, origem de um processo de morte que atinge toda a humanidade, e Cristo, “primícias” do processo de ressurreição que atingirá “todos os que pertencem a Cristo” até sua vinda gloriosa, fortalece a visão de uma progressiva afirmação da “realeza” do próprio Cristo. Ela se torna efetiva na medida em que cada um se abre à sua energia transformadora, “para que Deus seja tudo em todos” (1 Cor 15, 28).


O concílio Vaticano II pôs em evidência como o batismo coloca todos os cristãos na condição de participar à dimensão sacerdotal, profética e real de Cristo. A vida e as atividades concretas pessoais, familiares, profissionais, constituem para cada um o lugar e as condições nas quais é chamado a fazer presente, com suas atitudes interiores e suas escolhas, o senhorio que partilha com o próprio Cristo (LG 36).

O filho do homem, ao “assentar-se no seu trono glorioso, acompanhado por todos os anjos” (Mt 25, 31), para exercitar o grande juízo escatológico sobre os povos e os indivíduos, fará vir à luz, a verdade que se passou escondida no secreto das consciências e sob as aparências do eventos.

“Vinde, benditos de meu Pai! Recebei como herança o reino que meu Pai vos preparou desde a criação do mundo!” ( Mt 25,34). Cada um gostaria ouvir para si estas palavras abençoadas do Senhor, ao encontrar-se com ele! Na realidade, como já na parábola dos talentos, somos nós a colocarmos as palavras de vida ou as de maldição na boca do juiz e pastor, dependendo se, ao longo da vida, teremos reconhecido e servido com amor ou não o mesmo Senhor, nas pessoas de todos os necessitados.

Como a “vida eterna”, segundo a linguagem mística de João, é por nós participada desde o presente pela fé e o amor aos irmãos, pois neles se manifesta a verdade do único mandamento do amor a Deus e ao próximo, assim a triste exclusão dela, infelizmente, está sendo construída pelo nosso próprio descuido para com eles.

“Pois eu estava com fome e me destes de comer; eu estava com sede e me destes de beber.... Senhor, quando foi que te vimos com fome....Em verdade eu vos digo que todas as vezes que fizestes isso a um dos meus irmãos, foi a mim que o fizestes!.... Todas as vezes que não fizestes isso a um desses pequeninos, foi a mim que não o fizestes” (Mt 25, 35.38.40.45).

O juiz que desvela a verdade de cada um a si próprio é o mesmo pastor que tem cuidado, com ternura e força, de cada ovelha, como se fosse uma filha. Por isso, exige que os chamados a guiar e animar a comunidade tenham a coração antes de tudo as necessidades das ovelhas mais fracas, e não o próprio interesse. Cada um também, ao mesmo tempo, é responsável pelo seu irmão (Ez 34, 11-12. 15-17), e disso irá responder.

No estilo com que é exercitada a autoridade e são vivenciadas as relações recíprocas na comunidade cristã, se manifesta e se atua nela a realeza de Cristo, o crucificado por amor, ou então, ela realeza, é desmentida para dar lugar ao poder mundano, embora este se esconda sob a máscara das estruturas eclesiásticas e dos ritos sagrados.

O Juiz divino destaca, como única justificativa para ter acesso à herança do Pai, o amor para ele, escondido nos necessitados, e a procura do autêntico sentido da vida, mesmo quando a pessoa não conseguir alcançar o conhecimento explícito do próprio Cristo. Quantos hoje, entre nossos irmãos e irmãs em humanidade, vivem esta peregrinação interior rumo à Verdade!

Uma jovem poetisa italiana, Ilaria Bevacqua, interpreta muito bem esta procura incessante da verdade e da vida, que brota do coração sincero.Seu titulo significativo é “Roubei...” (2011).

“Roubei as estrelas ao céu / presenteando aos olhos apagados / a beleza de descobrir.//Roubei a água ao mar / para dar o gosto saboroso /a quem procura na insipidez / o segredo da vida. // Roubei os minutos ao tempo / para doar a lentidão / a quem corre e não acaba de chegar//.Roubei... tudo e nada.... Não satisfeita, porém, ainda... roubarei”.

Com esta meditação sobre a solenidade de Cristo rei do universo, que vai concluir o ano litúrgico 2010-2011, eu mesmo vou despedir-me dos amigos leitores que acompanharam nosso caminho, seguindo o Senhor na progressiva manifestação do seu mistério pascal. 

Agradecendo a todos pela atenção fraternal, desejo para eles e elas e para mim mesmo, que a bondade do mesmo Cristo, bom Pastor, continue nos acompanhando na espera da sua vinda gloriosa.


 [1] Um exemplo de particular relevo é o Pantocrator da catedral de Cefalú (ano 1156), na Sicília, Itália. Esta e outras imagens do Cristo Pantocrator podem ser encontradas na rede mundial de computadores através de uma ferramenta de busca colocando os dizeres “cristo pantocrator”.

sábado, 19 de novembro de 2011

Nota de Esclarecimento


Nota sobre o Evento M.I.S.S.A 
(Movimento dos Interessados em Sacudir Sua Alma)

Queridos amigos e amigas

Nesta manhã estivemos reunidos com nosso bispo dom Luiz e os organizadores do Evento M.I.S.S.A (Movimento dos Interessados em Sacudir Sua Alma).
O dialogo foi muito bom e proveitoso. Após ouvirmos, pessoalmente, aquilo que já havia sido noticiado pela mídia, ou seja, que em nenhum momento se teve a intenção de ofender a Igreja e o pedido de perdão pelos transtornos, foi-nos comunicado o seguinte:

a) O nome M.I.S.S.A não será mais utilizado;

b) Os Outdoors e as propagandas impressas serão mudados;

c) No evento não terá mais as vestimentas de padre, freira, altar e outros símbolos religiosos;

Se isso acontecer, esse evento perde o cunho religioso e passa um a mais entre tantos outros da nossa cidade de Manaus.

Abraços fraternos

Pe. Cláudio Walmir Rossini, SAC

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Carta aos Católicos de Manaus

O Evento M.I.S.S.A (Movimento dos Interessados em Sacudir Sua Alma), com origem no Rio de Janeiro e que tem previsto seu acontecimento na nossa cidade de Manaus para o próximo mês, me interroga sobre a pregação do Evangelho e a qualidade de nossos catóticos. 

Diante disso gostaria de fazer um convite a cada um de vocês: 

a) Vamos convidar as pessoas para participar de MISSA. A propaganda do evento começa dizendo “pô pra missa ninguém me chama”. Então vamos mudar nossos hábitos e convidar as pessoas para virem na VERDADEIRA MISSA, onde celebramos a Eucarístia, cumprimos a ordem do Senhor “Fazei isto em memória de Mim” (1Cor 11,24-25) e realizamos “memorial do seu sacrifício. E fazendo-o, oferecemos ao Pai o que Ele próprio nos deu: os dons da sua criação, o pão e o vinho, transformados, pelo poder do Espírito Santo e pelas palavras de Cristo, no corpo e no sangue do mesmo Cristo: assim Cristo torna-se real e misteriosamente presente” (Catecismo da Igreja católica, n. 1357). 
Verdadeira Missa

b) Vamos valorizar o domingo = DIA DO SENHOR. No evento as pessoas ironizam “mãe tô na missa” ou “domingo é dia de missa” = Balada. “Um domingo sem Missa nao é um verdadeiro domingo”... Participar da VERDADEIRA MISSA aos domingos é um dos mandamentos da nossa Igreja. O domingo é o DIA DO SENHOR, dia de nos voltarmos mais para ELE, para a família, dia de descanso. Domingo é "o dia do Senhor, o dia da Ressurreição, o dia dos cristãos, é nosso dia. Por isso é chamado dia do Senhor: porque é neste dia quando o Senhor subiu vitorioso junto ao Pai. Se os pagãos o chamarem dia do sol, também o fazemos com gosto; porque hoje amanheceu a luz do mundo, hoje apareceu o sol de justiça cujos raios trazem a salvação" (Catecismo da Igreja católica, n. 1166). 

c) Vamos respeitar o sagrado = O CORPO. O evento não respeita: as vestes, simbolo do sagrado; músicas consagradas (evangélica = como Zaqueu; Católica = Preciso de ti ó Pai); não tem regras canta-se tudo que vem a cabeça, ou seja, vale tudo... Vamos valorizar aquilo que é sagrado: começando por nós, criados a imagem e semelhança de Deus, templos do Espírito Santo; amemos nossas igrejas, respeitemos simbolos sagrados como a Cruz, Vestes, que nos fazem lembrar de Deus. VALORIZAR! RESPEITAR! “Ou não sabeis acaso que o vosso corpo é templo do Espírito Santo, que estais em vós e que vem de Deus e que vós não vos pertenceis, alguém pagou o preço do vosso resgate glorificai, portanto a Deus por vosso corpo” (1Cor 6,19). 

E finalmente... Vamos anunciar e viver os valores do Evangelho = SERMOS MISSIONÁRIOS ... Na nossa casa, no nosso trabalho, na nossa Igreja, onde estivermos... Vamos sair de nosso comodismo e sermos católicos de fato. 

Em Manaus temos centenas de Igrejas onde se celebra a SANTA MISSA, no Santuário de Fátima, Praça 14, celebramos a Missa diariamente. 

VENHA PARTICIPAR! 

Se você procura um evento para SACUDIR SUA ALMA sugiro dois eventos que acontecem esse ano em nossa cidade: 

1º) dia 27/11 – 18h – no Sambódromo – PHN com Reginaldo Manzotti; 
2º) dia 08/12 – 16h – na Catedral Nossa Senhora da Conceição – com dom Luiz Soares, padres da diocese de Manaus e dezenas de milhares devotos da nossa Padroeira. 

Um fraterno abraço Pe. Cláudio Walmir Rossini, SAC

sábado, 12 de novembro de 2011

Evento em Manaus gera polêmica entre católicos


"Um evento que será realizado em Manaus, no mês de dezembro, o Movimento dos Interessados em Sacudir Sua Alma (M.I.S.S.A), está gerando polêmica nas redes sociais, não apenas pela sigla, mas, principalmente, por pessoas que usam roupas sensuais de personagens da Igreja Católica.

Outdoor nas esquina de Manaus chama a atenção
para o evento que esta irritando os fiéis.
Foto: Raphael Alves
A festa foi iniciada na cidade do Rio de Janeiro com a proposta de se diferenciar dos eventos de música eletrônica e tem percorrido todo o Brasil. Em Manaus, o evento traz o ‘Trio Ternurinha’, formado pelo ator global Thiago Martins, Dhum Neves e Jhama. O Dj residente Tartaruga comanda a festa todo vestido de padre e as anfitriãs, de freira.

Para o arcebispo metropolitano de Manaus, Dom Luís Soares Vieira, o evento comete um insulto contra a Igreja Católica não apenas pela sigla, mas pelas vestimentas utilizadas.

Ele condena a realização da festa e disse que já acionou a assessoria jurídica da Aquidiocese para tomar as medidas cabíveis contra a realização do evento.

“Isso é um deboche com a Igreja Católica e não admitimos isso. Estive assistindo vídeos de pessoas que usam roupas de freiras, padres, inclusive, do papa”, lamentou. “Respeitamos todos os segmentos religiosos e não perseguimos ninguém. E gostaríamos que também nos respeitassem”, declarou o religioso.

O proprietário da empresa que está promovendo o evento em Manaus, Marcelo Alex, publicou uma nota, ontem, no Facebook, esclarecendo que a realização da M.I.S.S.A. não é nenhum desrespeito à Igreja Católica e seus fiéis. Ele disse que assim como ele, todos os colaboradores da empresa são católicos, frequentam as missas e são tementes a Deus." 

Fonte: Em Tempo

CONTRA O EVENTO m.i.s.s.a.

Queremos somente aqui deixar alguns pontos que analisamos e deixaremos claro o pensamento de um de outro.
O Caríssimo Marcelo Alex Nunes, manifestou em sua Página na Rede Social (Facebook) com as seguintes palavras (na Integra):


"Galera,tenho lido muita coisa sobre a festa M.I.S.S.A que iremos realizar no dia 07/12 e ,sobre o assunto, tenho o seguinte a dizer:

-M.I.S.S.A nada mais é do que a abreviação de Movimento dos Interessados em Sacudir Sua Alma e não cabe,aí,nenhum desrespeito à Igreja Católica e seus Fiéis;

-Eu e TODOS os colaboradores da M1 somos católicos,frequento a Missa e óbvio,sou temente a Deus; O fato de estar realizando esta festa não diminuirá minha fé N'ele e tenho certeza que não fará de mim um Herege(como alguns já estão dizendo);

-Durante a festa não há qualquer menção ou manifestação desonrosa,por menor que seja,à Igreja Católica ou qualquer outra corrente religiosa . Quem já foi à essa festa no Rio de Janeiro ou em outras cidades,pode ratificar o que estou dizendo;

-O objetivo da Festa é somente divertir e trazer alegria para a galera de Manaus,assim como já fazemos em tantas outras.Creio que há assuntos muitos mais sérios que envolvem a nossa igreja que ,estes sim,precisam de um debate mais amplo; 

-Respeito a opinião contrária e todos aqueles que estão criando movimentos de boicote ao evento,mas ,da mesma forma, peço respeito ao nosso trabalho e à nossa empresa e que não divulguem inverdades sobre o assunto.

Ainda bem que vivemos num País democrático e cada um tem o seu poder de escolha!

Valeuuu!!!" 

Em nossa página na mesma Rede Social, divulgamos alguns pontos como falei  para ser um pouco mais explicado para boa compreensão de todos: (na Integra)

"Bom dia amigos a Paz de Cristo, li que o Dono da M1 evento, justificou que o evento em nada fere a maior expressão da FÉ CATÓLICA, e que é inclusive católico e temente a Deus. Citarei alguns motivos pq essa afirmação não é verdadeira.

1. Apesar de ser uma sigla, se você estiver dirigindo e ler um outdoor a primeira coisa que você ira ler e a palavra "M.I.S.S.A.", induzindo ao leitor se tratar de uma verdadeira Missa. 

2. Se vocês verem o vídeo de divulgação, perceberão os trocadilhos que são feitos obviamente fazendo uma analogia erroneamente com o Sacrifício Perfeito, homens e mulheres virando-se ao câmera e mostrando e beijando o Santo Terço e fazendo o sinal da Cruz, símbolos e objetos especificamente católicos, que talvez nunca tivessem sido usados por essas pessoas antes de tal profanação.

3. Verão que a proposta do autor da festa diz que na festa existe mulheres vestidas de freiras sexys (desonra a grandes Santas como Santa Teresa, Teresinha, Edwiges, Rita de Cassia, Clara de Assis entre outras que tanto orgulharam a Igreja Católica) homens de padres, anões vestidos de anjos, o fotografo de Sumo Pontífice o 'PAPArazzo'

4. Na divulgação do evento mostra uma igreja de estilo Barroco ou Rococo, fazendo uma referencia obvia a um templo católico.

Poderia Citar muitos outros, mas creio que esses evidenciam a falta de respeito com nossa religião.

M1 Eventos por tudo que ha de mais sagrado, mude o nome e NÃO permitam, o uso dos símbolos Católicos, do mais façam tudo o que quiserem, vocês tem LIVRE arbítrio pra quererem fazer o que quiserem com o corpo de vocês, a consequência disso vocês saberão depois, mas quanto a nossa FÉ, NÃO ZOMBEM DELAS, pois somos praticantes, AMAMOS NOSSA IGREJA, nossa FÉ esta depositada nela."

Segue o link do vídeo: Festa M.I.S.S.A.

Nossa Página da Rede Social (Facebook): EU SOU CONTRA, CONTRA o Evento M.I.S.S.A - M1 Eventos



Página Oficial: CONTRA O EVENTO M.I.S.S.A.





"O zelo da tua casa me consome" 
(Sl 69 [68], 10)

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

FALTA DE RESPEITO AO CENTRO DA VIDA DOS CATÓLICOS: A MISSA

A Constituição Federal nos garante o direito a liberdade de religião. A essa liberdade é também assegurada o respeito à qualquer religião professada. O Brasil é um estado laico, não ateu, pois a grande maioria dos brasileiras acredita em Deus. Com essa afirmação quero dizer que, consoante a vigente Constituição Federal, o Estado deve se preocupar em proporcionar a seus cidadãos um clima de perfeita compreensão religiosa, proscrevendo a intolerância e o fanatismo. 

A maioria do povo brasileiro professa o catolicismo e tem como momento ápice da sua fé a celebração da Santa Missa. Porém não podemos deixar de nos indignar com a ridicularização promovida pelos organizadores e freqüentadores da M.I.S.S.A.(Movimento dos Interessados em Sacudir sua Alma).
O que é o M.I.S.S.A.?
É uma balada que em nada tem com a Igreja Católica. Com frases tipo “é um pecado deixar de ir”“reze para chegar logo”, “quem disse que ninguém te chama?”  e “sábado é dia de missa” ou ainda “cansei da night, agora só vou pra missa”, os organizadores do evento ultrapassam a linha do respeito à maior religião do País.

Veja mais: “O evento é uma balada, por sinal visitada por muitas celebridades, que é um dos aspectos que tem chamado a atenção e tem causado o grande frisson e repercussão do mesmo. Tocam várias bandas regadas por arranjos eletrônicos. O ridículo é que: após as bandas, inicia-se um espetáculo de cores e som eletrônico com o DJ Residente da MISSA (O Papa), Dj Tartaruga, tocando seu set MIXTURADO, bem democrático, sem preconceito de estilos musicais, emocionando o público de várias gerações e sacudindo a alma de todos.  O evento ainda conta com mulheres vestidas de freiras recepcionando os convidados e entregando brindes, os famosos anões de anjinho, diabinho e outros personagens surpresa.
Entre todas as ridicularidades, as edições desta balada conta com o PAPArazzo, um fotógrafo vestido de Papa que tira fotos não pousadas, bem ao estilo paparazzo, dos convidados em várias situações e depois as fotos ficam expostas num mural para as pessoas levarem para casa como recordação da MISSA.”

Contra o Evento M.I.S.S.A.


O nosso repúdio total a empresa M1 Eventos pela promoção de um evento zombando da maior expressão da fé católica: a Missa. É inconcebível, num estado laico é verdade, mas democrático de direito, que uma empresa zombe com a fé da maioria deste país. 


O evento chamado M.I.S.S.A. (Movimento dos Interessados em Sacudir a Sua Alma), que ridiculariza o culto católico - além de termos e símbolos cristãos - demonstra a total falta de respeito por parte da M1 com a religiosidade desta nação. Não agride só os católicos, mas o cristãos em si. Pois, ridiculariza quem crer em DEUS, no sacrifício da cruz, na salvação, no Deus-Ressuscitado... 


Cristãos, devemos repudiar isto! Senão daqui a pouco teremos eventos zombando com o "Deus é Tremendo" da Assembleia de Deus ou a Marcha para Jesus, ou até mesmo o Ramadã dos mulçumanos. Já pensou, você que é da Universal, se no mês de junho a empresa decide fazer um show chamado a "Terapia do Amor" em comemoração ao dia dos namorados? Não é apenas uma questão de defesa de fé, mas é questão de respeito! E devemos exigir isso!


Povo Católico de Manaus devemos nos unir contra este evento que a empresa M1 evento esta querendo realizar dia 07/12, uma tremenda falta de respeito com a nossa religião católica, não devemos ficar de braços cruzados, pois é a nossa religião que está sendo motivo de bagunça para esses que se dizem "profissionais". Peço que tambem que o nosso querido Bispo Dom Luis Soares Vieira venha se manifestar em nosso favor em protesto desse ato.
M1 Eventos, respeito é bom e nós gostamos!


2 Pedro 2,1..." #FICADICA #PENSAREAGIR Para todos os que apoiam o evento M.I.S.S.A da M1 Eventos #DesrespeitoComAIgreja

Povo Católico já esta se manifestando por meio de uma Petição Pública para o  Ministério Público do Amazonas que diz o seguinte:
Trata-se de abaixo assinado contra o evento M.I.S.S.A, realizado em vários estados brasileiros, e em Manaus acontecerá precisamente no dia 07/12/2011. O referido evento além de utilizar o mesmo nome aplicado ao culto Católico(Missa), ainda emprega o uso das vestimentas utilizadas pela Igreja nos seus promotores para que os mesmos recepcionem os participantes da festa. Também recepciona os convidados um grupo de anões fantasiados de anjos, padres e demônios, e a mesa utilizada pelo DJ condutor da festa é decorada para dar a entender tratar-se de um altar. Há também dois adesivos, um verde escrito “peco” e outro vermelho dizendo “não peco”. Não é preciso muita inteligência para saber o que isso significa. Há também o tal do PAPArazzo, um fotógrafo fantasiado de Papa para fotografar as pessoas durante a festa. 
Considerando que o código civil no artigo 52 aplica a pessoas jurídicas, no que couber, a proteção dos direitos da personalidade. É inegável o direito a imagem e a honra da Igreja Católica Apostólica Romana nos termos do artigo 5, X da Constituição Federal. 
Cumpre-se também ressaltar, que a referida festa viola plenamente o artigo 208 do código penal, visto que o mesmo considera como crime de vilipendio público de ato ou objeto de culto, todo ato atentatório contra os objetos de devoção religiosa, bem como, as imagens, relíquias, como também, os que se destinam a manifestação do culto, tais como, os altares, púlpitos, cálices e paramentos. 
Por fim, qualquer bem corpóreo inerente ao serviço do culto esta abrangido pela definição legal do dispositivo penal mencionado.


LINK PARA ASSINAR A PETIÇÃO PUBLICA: 

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Falsas Doutrinas (6º tema do SVES)



Eu sou o caminho, a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim.” (Jo 14, 6)

O nosso Deus tem por nós um amor como de um esposo, e o que mais fere o coração de um esposo é a traição. Agimos com traição para com Deus e para com o seu projeto de amor quando procuramos outro caminho que não seja Jesus Cristo. 

Mas, apesar de nossas infidelidades, o Senhor continua a nos amar (Os 3, 1). Por causa deste tão grande amor é que, em sua Palavra, Deus vem nos orientar (Dt 18, 9 – 14). O Senhor quer que sejamos somente d’Ele, que não coloquemos nossa confiança em nada que, oferecido pelo mundo como recurso, ofusque a Providência e a Onipotência divinas. 

Dentre as práticas abomináveis por Deus segundo o trecho em estudo, vejamos as que são mais comuns em nosso meio.A astrologia começou a Babilônia, no meio de um povo pagão, onde tudo que se movia e irradiava luz era tido como Deus. O fato de os astros se moverem e apresentarem luz significava para eles que lá habitavam forças espirituais que emanavam luz para a Terra. 

Em nosso meio, a astrologia se manifesta por meio dos horóscopos. Quem acredita em horóscopos está afirmando que os astros têm o poder de influenciar sua vida. Algo muito enganoso, já que astros e homens são criaturas de Deus, sendo o homem a Sua obra-prima, imagem e semelhança do Criador. Teria uma criatura tal poder sobre outras criaturas? Quando aceitamos Jesus Cristo como o Senhor de nossas vidas, proclamamos que somente Ele tem autoridade sobre nós. Vale ressaltar que, o que Deus condena é a astrologia (estudo da suposta influência dos astros na vida humana), e não a astronomia (ciência que estuda os astros em sua constituição, posição e movimento).Quanto ao espiritismo, o Senhor nos dá ordens expressas (Lv 19, 31). 

Trata-se de uma prática que se baseia na possibilidade de evocar os espíritos. Para os espíritas, todas as almas foram criadas por Deus desde a eternidade, e destinadas a evoluir rumo à perfeição, que seria alcançada através de múltiplas reencarnações. Segundo a doutrina cristã, Deus cria a alma imortal no momento da concepção, sendo que o sacrifício de Jesus é que nos redime e paga os nossos pecados. O cristão autêntico acredita na ressurreição dos mortos, visto que a Palavra de Deus nos afirma que morremos uma só vez, sendo em seguida julgados por Deus (Hb 9, 27). Na visão espírita, Cristo existiu, mas não era Deus. 

Tendo alcançado a perfeição de múltiplas reencarnações, Cristo teria sido um médium incomparável, mandado por Deus para ensinar como o homem pode aperfeiçoar-se. Portanto, para os espíritas, Cristo não é aceito como Salvador, pois o homem salva-se a si mesmo, seguindo o caminho de Cristo. Assim, os espíritas levam, por meio da caridade, mola mestra do cristianismo, ao engano muitas pessoas cheias de boa vontade. 

A caridade é um fruto do Espírito Santo que vai além do ato de dar coisas aos necessitados. É o próprio Espírito que, transformando nossa vida, nos capacita para vivermos o amor e o despojamento do nosso egoísmo (1 Cor 13, 1 – 7). Na verdade, a garantia de nossa salvação não vem de nossas obras, mas do sacrifício de Cristo (Lc 23, 39 – 43). Pelos frutos da salvação em nós, somos chamados a viver a caridade, testemunhando o seguimento de Jesus Cristo.

Tendo muitos pontos em comum com o espiritismo, destaca-se a umbanda. Tanto o espírita como o umbandista aceitam a necromancia, isto é a evocação dos mortos. Porém, o umbandista pretende evocar os espíritos com o fim de colocá-los à disposição do homem para efeito de um trabalho a favor ou contra alguém. 

Embora muitas vezes considerada como folclore, a umbanda é uma falsa doutrina a qual devemos renunciar.Não devemos condenar as pessoas, mas a filosofia de vida, contrária aos princípios evangélicos. O homem de Deus rompe com a astrologia, a adivinhação, a magia, os espíritos, a invocação dos mortos e não teme e nem se submete a agouros, feiticismos, supertições, simpatias.Os homens de hoje estão sempre buscando novas doutrinas, filosofias e seitas. 

As pessoas se deixam influenciar por outras pessoas ou por suas próprias opiniões, abandonando o verdadeiro Mestre que é Jesus Cristo (II Tm 4, 1 – 5). A ordem do Senhor é para que sejamos prudentes em tudo. 

Em busca de paz, tranqüilidade, descanso e segurança, muitos procuram doutrinas e técnicas, como ioga, relaxamento, controle mental, meditação transcendental, quando pelas Escrituras descobrimos que só Jesus Cristo é a verdadeira paz (Ef 2, 14) e os que n’Ele se abandonam, não se abalam. Os cristãos têm obrigação contínua de examinar criticamente os movimentos e ideologias da cultura secular, à luz do ensinamento cristão.

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

#Alma


A alma é o que faz cada pessoa ser humana, isto é, o seu princípio de vida espiritual, o seu íntimo. A alma faz com que o corpo material se torne um corpo vivo e humano. Através da alma, o ser humano torna-se um ente que pode dizer “eu” e permanece diante de Deus como um indivíduo inconfundível.
Os seres humanos são corporais e espirituais. O espírito do ser humano é mais que uma função do corpo e não se compreende a partir da composição material do ser humano. A razão diz-nos que tem de haver um princípio espiritual que esteja unido ao corpo, embora não lhe seja idêntico, o que designamos por “alma”. Embora a alma não se possa “comprovar” pela ciência natural, o ser humano não se consegue entender enquanto ente espiritual sem a admissão deste princípio espiritual, que excede a matéria.
A alma humana é criada diretamente por Deus. Não é “produzida” pelos pais.
A alma de uma pessoa não pode ser produto de um desenvolvimento evolutivo da matéria nem o resultado de uma fusão genética do pai e da mãe. A Igreja explica da seguinte forma o mistério de cada ser humano vindo a este mundo ser uma pessoa única e espiritual: ao ser humano Deus dá uma alma imortal, ainda que ele, pela morte, perca o seu corpo, para o reencontrar na ressurreição. Dizer “Tenho uma alma” significa afirmar: “Deus criou-me não apenas como um ente, mas como pessoa, e chamou-me a uma relação com Ele que nunca mais termina.” [62 e 63] #Fonte: #CatecismoJovem