quinta-feira, 27 de junho de 2013

Importância do Óbolo de São Pedro.

No próximo domingo, 30 de junho, dia dedicado à Solenidade de São Pedro e São Paulo, será recolhida a coleta do Óbolo de São Pedro. Será que temos clareza da magnitude de tal coleta?
Em seu primeiro ano de pontificado, o Papa Bento XVI houve por bem pôr em relevo o significado particular do Óbolo com estas palavras:
«O “Óbolo de S. Pedro” é a expressão mais emblemática da participação de todos os fiéis nas iniciativas de caridade do Bispo de Roma a bem da Igreja universal. Trata-se de um gesto que se reveste de valor não apenas prático, mas também profundamente simbólico enquanto sinal de comunhão com o Papa e de atenção às necessidades dos irmãos; por isso, o vosso serviço possui um valor retintamente eclesial» (Discurso aos Sócios do Círculo de São Pedro, 25 de Fevereiro de 2006).
O valor eclesial do referido gesto resulta claro quando se pensa que estas iniciativas de caridade são conaturais à Igreja, como o Papa acenou na sua primeira EncíclicaDeus caritas est (25 de Dezembro de 2005):
«A Igreja nunca poderá ser dispensada da prática da caridade enquanto atividade organizada dos crentes, como aliás nunca haverá uma situação onde não seja precisa a caridade de cada um dos indivíduos cristãos, porque o homem, além da justiça, tem e terá sempre necessidade do amor» (n.º 29).
Trata-se de uma ajuda que é sempre animada pelo amor que vem de Deus:
«Por isso, é muito importante que a atividade caritativa da Igreja mantenha todo o seu esplendor e não se dissolva na organização assistencial comum, tornando-se uma simples variante da mesma. (…) O programa do cristão – o programa do bom Samaritano, o programa de Jesus – é “um coração que vê”. Este coração vê onde há necessidade de amor, e actua em consequência» (Ibidem, n.º 31).
As ofertas que os fiéis dão ao Santo Padre destinam-se a obras eclesiais, a iniciativas humanitárias e de promoção social, e também para a sustentação das atividades da Santa Sé. E o Papa, enquanto Pastor da Igreja inteira, preocupa-se também com as necessidades materiais de dioceses pobres, institutos religiosos e fiéis em graves dificuldades (pobres, crianças, idosos, marginalizados, vítimas de guerras e desastres naturais; ajudas particulares a Bispos ou Dioceses em necessidade, educação católica, ajuda a refugiados e migrantes, etc.).
O critério geral, que inspira a prática do Óbolo, remonta à Igreja primitiva:
«A base primeira para a manutenção da Sé Apostólica deve ser constituída pelas ofertas dadas espontaneamente pelos católicos de todo o mundo, e eventualmente também por outras pessoas de boa vontade. Isto corresponde à tradição que tem origem no Evangelho (Lc 10,7) e nos ensinamentos dos Apóstolos (1 Cor 11,14)» (Carta de João Paulo II ao Cardeal Secretário de Estado, 20 de Novembro de 1982). 

A busca da santidade

A Santidade Cristã, consiste na união com Cristo: Verbo Encarnado e Verbo Redentor, único mediador entre Deus e os homens e fonte de toda graça e santificação.
A santificação do homem consiste em estar unido a Deus na forma devida, mas o sentido específico, só são chamados "santos" os seres pessoais, os que são dotados de inteligência e vontade que lhes permitem por em prática e realizar sua união com Deus de forma consciente e livre.
Aí é que o conceito de santidade aparece na sua verdadeira riqueza, como realidade vivida deliberadamente, que penetra a existência da pessoa justamente porque, com a riqueza do seu ser e com a espontaneidade de sua vontade livre, se une a Deus entregando-se a Ele com o calor do amor.
Da parte de Deus, Jesus veio realizar de fato esta união do ser humano com Deus, pela Graça, e por isso, todos nós somos chamados à santidade e segundo as palavras do Apóstolos: "Porquanto, esta é a vontade de Deus, a nossa santificação (I Ts 4, 3; Ef. 1, 4).
A santidade depende da nossa união com Deus, e desde o Antigo Testamento, o povo compreendeu esta realidade, de modo que chamava "santo", tudo aquilo que entrava em contato com Deus como objetos, lugares e pessoas.
Cristo veio, "para que todos tenham vida, e a tenham em abundância", isto é, para dar aos homens sua vida divina, a fim de que eles possam entregar-se e unirem-se a Deus não mais como simples seres humanos, e sim como pessoas introduzidas e elevadas à intimidade sobrenatural, com as características e riquezas típicas de quem participa da vida divina. Isto é o que chamamos de santidade ontológica.
Mas como buscar esta santidade? Sabemos que não somos capazes de atos santos, sabemos entretanto, que a medida que renunciamos à vida natural e pecadora a qual herdamos de Adão, renunciarmos também a satanás e as suas e as suas obras, para vivermos segundo Cristo, para vivermos a vida de Jesus Cristo, de modo que aos poucos, Jesus vá ocupando todas as áreas do nosso ser, para que Ele viva em nós, aja em nós e por nós.
Através do Batismo, recebemos a Graça Santificante, e isto nos dá uma identificação com Cristo e nos torna capazes de viver realmente a vida de Cristo.
Para o apóstolo Paulo, os cristãos devem como Cristo (porque "só Cristo"), até alcançarem a plenitude na maternidade em Cristo, a ponto de dizerem como Paulo: "Vivo, porém não eu, mas é Cristo que vive em mim".
Em todos nós batizados, deve haver uma postura na qual expresse a mesma atividade de Jesus para um Deus Pai, submetendo-se livremente à ação do Espírito Santo.
O que Cristo operou em nós através do Batismo, é necessário que assumamos conscientemente, e testemunhamos com nossas vidas.
Portanto, a vida inicial de santificação é realizada pelo Espírito Santo mediante o nosso Batismo, e é a partir dessa promessa que devemos viver "segundo o Espírito" e não "segundo a carne", quando buscamos a santidade. Sozinha na luta para ser santo, a vontade do homem será derrotada. Só muita graças ao Espírito de Deus a vontade do homem é vitoriosa e o capacita-o para ser santo.
A atividade do cristão que se deixa conduzir é verdadeiramente uma atividade do Espírito Santo dentro dele, do que propriamente sua.
Ele já ama com suas próprias forças mas com a de Cristo. Todas as suas obras, suas orações e iniciativas apostólicas, a vida conjugal e familiar, o trabalho cotidiano, o descanso e as próprias provações e tribulações, são suportadas facilmente e se tornam instrumentos de conversão e renovação interior do homem, de cristificação e mais ainda, de passos concretos em busca da santidade.