Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro, 2012

FILME: E agora, para onde vamos?

Um filme que é um hino à paz e à harmonia entre as religiõesROMA, sábado, 04 de Fevereiro de 2012 (ZENIT.org) -. Num vilarejo libanês cristãos e muçulmanos convivem pacificamente, isolados do resto do mundo, graças ao colapso providencial de uma ponte. Mas de vez em quando os ecos da guerra, que recomeçou no país, chegam a eles, por meio de uma televisão improvisada, e as mulheres se reúnem em segredo para encontrar um modo de dissuadir os homens do revoltar-se novamente uns contra os outros... O filme E agora para onde vamos? é um hino à paz e à harmonia entre as religiões sem qualquer retórica, porque é baseado na realidade de muitas comunidades multiétnicas do Oriente próximo. Algumas linguagens são um pouco explícitas entre as mulheres, alguma cena sensual. Grande habilidade da diretora (também protagonista) no saber dirigir grande diversidade de características e conseguir dar-nos a imagem de uma comunidade viva, apaixonada e cheia de humanidade. O filme, se não prestarmos atenção a …

Verdade

Publico o texto abaixo em favor da verdade que sempre deve ser dita. Parabéns ao Frade Demetrius dos Santos Silva pela coragem de dizer o que muitos temem dizer por causa das consequências.
--------------------------------------------------------------------


O Ministério Público Federal de São Paulo ajuizou ação pedindo a retirada dos símbolos religiosas das repartições publicas. Pois bem, veja o que diz o Frade Demetrius dos Santos Silva. 


Sou Padre católico e concordo plenamente com o Ministério Público de São Paulo, por querer retirar os símbolos religiosos das repartições públicas… 


Nosso Estado é laico e não deve favorecer esta ou aquela religião. A Cruz deve ser retirada!


Aliás, nunca gostei de ver a Cruz em Tribunais, onde os pobres têm menos direitos que os ricos e onde sentenças são barganhadas, vendidas e compradas.
Não quero mais ver a Cruz nas Câmaras legislativas, onde a corrupção é a moeda mais forte. 


Não quero ver, também, a Cruz em delegacias, cadeias e quartéis, onde os peq…