Pular para o conteúdo principal

Vocação à santidade


Com a queda de Adão, o pecado destruiu o plano divino da santificação do homem. Nossos primeiros pais, criados à imagem e semelhança de Deus, em estado de graça e santidade, elevados à dignidade de filhos de Deus, foram precipitados num abismo de miséria, arrastando consigo todo o gênero humano. Durante séculos e séculos, o homem geme no seu pecado; este cavou um abismo insuperável entre Deus e a humanidade, e o homem geme para além do abismo, absolutamente incapaz de se levantar.

Para conseguir o que o homem não pode, para destruir nele o pecado e restituir-lhe a graça, promete-lhe Deus um Salvador. A promessa, feita e renovada através dos séculos, não se restringe somente ao povo de Israel; interessa a toda a humanidade. Já Isaías o havia pressentido: “Virão os povos em multidão, dizendo: ‘Vinde, subamos à montanha do Senhor, à casa do Deus de Jacó, para que nos ensine seus caminhos’” (Is 2,3). E declarou Jesus expressamente: “Digo-vos que muitos virão do oriente e do ocidente e sentar-se-ão à mesa com Abraão, Isaac e Jacó no Reino dos céus” (Mt 8,11).

O Senhor Jesus veio salvar a todos os povos, e convidar todos à mesa de seu Pai, no Reino dos céus. “Quer Deus todos os homens salvos e que cheguem todos ao conhecimento da verdade” (1Tm 2,4). A fim de que se salvem todos, “enviou seu Filho unigênito, para que, quem quer que nele creia, não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo 3,16). Assim amou Deus o mundo. Se foi Israel o depositário da divina promessa e recebeu a missão de transmiti-la de geração em geração, não é, porém, o único beneficiário. Desde a antigüidade, no plano de Deus, foi destinada a promessa a toda a família humana: ninguém está excluído. Jesus, Salvador, veio para cada homem e a cada homem oferece os meios necessários à sua santificação.

Assim dirige S. Paulo aos cristãos de Corinto sua primeira carta: “Aos santificados em Cristo Jesus, chamados a ser santos com todos aqueles que em todo lugar invocam o nome do Senhor nosso Jesus Cristo” (1Cor 1,2). Todos os que crêem em Cristo, seja de que povo for, são efetivamente “chamados a ser santos”; o que, na linguagem do Apóstolo, significa sobretudo pertencerem, serem consagrados a Deus mediante o Batismo e, portanto, em força desta consagração, tornarem-se pessoalmente santos.

Assim como a salvação, a santidade é oferecida a todos os homens. “Sede santos porque eu sou santo” (Lv 11,44), havia dito Deus ao povo de Israel; e Jesus especificou: “Sede perfeitos como é perfeito o vosso Pai celeste” (Mt 5,48). Estas palavras, não as dirigiu o Senhor a um grupo escolhido; não as reservou aos apóstolos, aos íntimos, mas pronunciou-as diante da multidão que o seguia. Ele, o Santo por excelência, veio santificar todos os homens e a todos oferece os meios necessários, não só para a salvação, mas também para a santificação: “Eu vim para que tenham a vida e a tenham em abundância” (Jo 10,10).

Não se cansa a Igreja de repetir e inculcar este ensinamento do Senhor: “Ninguém creia que... (a santidade) seja para poucos homens escolhidos dentre muitos, enquanto os outros podem limitar-se a um grau inferior de virtude... Absolutamente todos... sem exceção alguma, estão compreendidos nesta lei” (Pio XI, AAS [1923]: 50).

De modo particular, o Concílio Vaticano II reafirmou a universal vocação à santidade: “Todos na Igreja, quer pertençam à hierarquia, quer sejam por ela dirigidos, são chamados à santidade... O Senhor Jesus, mestre e modelo divino de toda perfeição, a todos e a cada um dos seus discípulos, de qualquer condição, pregou a santidade de vida, de que ele mesmo é o autor e consumador” (LG 39.40). Não pode o homem encontrar em si mesmo recursos e forças para santificar-se; somente Deus é santo e somente Deus pode santificá-lo. O próprio Deus quer ser o santificador das suas criaturas e, em Jesus bendito, oferece em profusão, a cada homem, os meios para que se santifique.
Extraído de: Madalena, Gabriel de Sta. Maria. Intimidade Divina. São Paulo: Loyola, 1988, pp. 25-26.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

“Nós vos tomamos como modelo perfeito de Louvor a Deus”

"Nós vos tomamos como modelo perfeito de Louvor a Deus”, isso dizemos a Maria todos os dias. Em nossa Fraternidade a Virgem Maria é um dos pilares, nós a veneramos sob o título de Nossa Senhora de Pentecostes, ela é nossa Padroeira-Mor.  A ela recorremos venerando-a no ícone posto sobre o Presbitério de nossa Capela da Casa de Formação do Instituto Servos de Jesus Salvador, e a partir deste em todos os outros que o representam.  Este ícone inspirado a nosso Pai-Fundador, Padre Gilberto e elaborado por outro Padre, Fúlvio o iconógrafo, é o único no mundo, não se trata portanto de alguma cópia. O ícone remonta a tradição oriental, diferente de nossas imagens tridimensionais, e em todos os seus detalhes estão presentes as características profundas e dignas de imitação daquele que nele é pintado. 

No ícone de Nossa Senhora de Pentecostes sobre o fundo dourado, tendo as labaredas de fogo ao alto e os apóstolos aos pés, está Maria, Mãe de Deus e sempre Virgem, antes, durante e depois do p…

(NOVENA) Nossa Senhora de Pentecostes

9o. Dia
Antífona - Todos: Á vossa proteção recorremos, Santa Mãe de Deus, não desprezeis as nossas suplicas em nossas necessidades, mas livrai-nos sempre de todos os perigos, ó Virgem gloriosa e bendita.

Intenção: PELA FRATERNIDADE JESUS SALVADOR
Leitor: Ó Senhora de Pentecostes, a quem foi confiado o patrocínio da Fraternidade Jesus Salvador, fazei com que esta Obra, suscitada por Deus na sua Igreja, seja fiel ao espírito de seu fundador, às sua intenções evangélicas, e ao exemplo de sua santidade. E constantemente atenta aos sinais dos tempos, deseje que se perpetue, através dela em sua existência, o derramamento do Espírito Santo, como um Novo Pentecostes. Que no coração da Igreja, Esposa de Cristo, sejamos a pura expressão do contínuo culto de louvor e adoração a Nosso Senhor Jesus Cristo, para que, por meio de nossa consagração, possamos produzir frutos de santidade na humanidade. Que todos nós, servos e servas de Javé Salvador, fiéis a nossa verdadeira e única missão, preguemos o e…

Brasil: "Há mil formas de evangelizar os jovens"

Estamos perdendo nossos jovens fiéis hoje em dia nas escolas, universidades e no âmbito profissional, enquanto as seitas estão cheias de adolescentes, afirma Dom Carlos Verzeletti, bispo da diocese de Castanhal (Estado do Pará, nordeste do Brasil).
Em recente visita à entidade assistencial Ajuda à Igreja que Sofre, na Alemanha, o bispo disse que «no entanto, os bispos brasileiros estão agora convencidos de que há mil formas de evangelizar os jovens». Neste sentido, enfatizou na importância dos novos movimentos eclesiais.
De fato, a CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) dedicou sua Assembléia Geral passada, que se realizou em maio, a discutir o tema da evangelização da juventude.


Os bispos formataram um subsídio, um estudo, que agora circula pelas paróquias, pelos grupos e comunidades. Após o texto fermentar com novas idéias, retornará às instâncias episcopais responsáveis em âmbito nacional.
Só então um documento oficial sobre a evangelização da juventude deve ser publicado pel…